Constelação Sistêmica

Constelação (3)

Constelação Sistêmica é um método psicoterápico, desenvolvido pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, que estuda as emoções e energias que, consciente e inconscientemente, acumulamos. Este aprofundamento possibilita compreender como estes fatores influenciam em nossa tomada de decisão, reverter aspectos negativos que desequilibram nossa vida.

Em seus estudos, e com base em sua ampla atuação como terapeuta familiar, Hellinger, que também é filósofo e teólogo, pôde perceber como inúmeras experiências, especialmente as vividas no ambiente familiar, são decisivas para a nossa saúde emocional.

Neste sentido, podemos concluir que essas experiências, acumuladas desde a infância, nos torna parte de vários sistemas, e impactam diretamente em nossos comportamentos e resultados na vida atual.

Deste modo, as heranças emocionais que herdamos de nossa família, como por exemplo, perdas, brigas, doenças, separações traumáticas e tragédias, podem ser âncoras negativas em nosso processo de evolução profissional e pessoal.

A abordagem via Constelação Sistêmica, permite aplicações ainda, no que tange os aspectos:

1 – Empresarial – (Melhoria nas relações interpessoais entre os steakholders e lideranças)
2 – Profissional – (Superação de bloqueios, traumas, problemas de comunicação e relacionamento)
3 – Pessoal – (Melhoria das relações afetivas, sociais e familiares)

DSC01360Assim como na constelação familiar, no momento de constelar sistemicamente a situação apresentada pelo indivíduo/cliente/paciente, outras pessoas são convidadas para esta dramatização, e são inseridas no processo para representar os personagens, do contexto do protagonista, que fazem parte de um problema específico, que precisa ser superado.

Quem conduz uma constelação geralmente é um psicoterapeuta, ou um constelador sistêmico, que a realiza através de uma dramatização em grupo. Assim, mesmo não tendo todas as informações sobre a vida do cliente, ou quem são as pessoas que participam do processo com ele, o terapeuta aos poucos vai localizando, por ordem de relevância, as pessoas que estão sendo representadas e identificando seu peso emocional na vida do paciente.

Com isso, ele pode aplicar suas técnicas para que o cliente possa alcançar o perdão e ressignificar aspectos negativos de suas experiências (enxergar o lado positivo da questão abordada), e imprimir no cliente uma nova dimensão do problema, buscando a superação e o alcance dos seus objetivos, e da qualidade da vida, que este empecilho, impossibilitava.